Psicólogo Concurseiro

Psicologia Hospitalar: teoria e prática

há 8 meses     -     
Psicologia Hospitalar: teoria e prática


 

Psicologia Hospitalar: teoria e prática

A Psicologia Hospitalar corresponde a uma área de atuação da psicologia que tem como foco o aspecto psicológico em torno do adoecimento. 

A vivência do adoecimento e da hospitalização consistem em situações permeadas por perdas e lutos, perde-se por exemplo a saúde, a autonomia, dinheiro, tempo e identidade. Porém, há também a possibilidade da experimentação de ganhos denominados “ganhos secundários”, visto que, pode-se ganhar, por exemplo, mais atenção e cuidado. 

Tudo isto que é vivenciado pelo indivíduo é também significado por este e constitui consequentemente um campo psicológico. 

O psicólogo hospitalar, enfatizando as questões relacionadas à saúde no âmbito de atenção secundária e terciária, é aquele que se interessa em dar voz à subjetividade do paciente. Contudo, seu trabalho não restringe-se a este, pois a família e a equipe coexistem nesta experiência, vivem possíveis angústias e as significam. 

O profissional de psicologia portanto, além de considerar o paciente, a família e a equipe individualmente, se ocupa das relações entre estes, com a função de facilitá-las, dado que estas podem influenciar no processo de adoecimento e hospitalização. 

Nesse artigo, você vai conferir os seguintes tópicos:

  • Psicologia Hospitalar no Brasil
  • Psicólogo Hospitalar e paciente/família/equipe
  • O setting hospitalar

 

Psicologia Hospitalar no Brasil 

Ainda em processo de construção de uma identidade, a procura pela atuação em Psicologia Hospitalar vem crescendo muito nos últimos anos no Brasil, devido ao maior conhecimento da área e de suas importantes contribuições ao ambiente hospitalar

Até 1910 nos Estados Unidos (EUA) haviam poucos profissionais de psicologia que trabalhavam em hospitais e escolas de medicina. No entanto, com o fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) e a demanda por atendimento especializado aos militares que retornavam ao país observou-se um aumento significativo da presença desses profissionais nesses contextos.

Além disso, a definição de saúde feita pela Organização Mundial de Saúde em 1948, introduzindo a perspectiva biopsicossocial, contribuiu fundamentalmente para consolidação dos serviços psicológicos nos hospitais gerais.  

No Brasil, estes serviços iniciaram-se na década de 50 quando a prática começava a se consolidar nos EUA. Sendo os primeiros registros da prática datados de 1954 com a pioneira Mathilde Neder, no Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC- FMUSP). 

Mathilde tinha formação em pedagogia e desenvolveu um trabalho inovador, a partir da solicitação da equipe médica e de enfermagem, inaugurando as atividades da psicologia nos hospitais brasileiros

Nesta época a profissão de psicólogo ainda não era regulamentada no país e consequente a isto os profissionais que realizavam atividades psicológicas no ambiente hospitalar possuíam outras graduações e buscavam formações complementares em psicologia.

O termo Psicologia Hospitalar consolidou-se, por fim, com o reconhecimento do Conselho Federal de Psicologia da atuação dos psicólogos nos hospitais como uma especialidade na Resolução Nº 013/2007.


Confira nossa artigo sobre as atribuições do psicólogo hospitalar, conforme o CFP.


Psicólogo Hospitalar e paciente/família/equipe

O psicólogo hospitalar trabalha com a tríade de relação composta pelo paciente, a família e a equipe de saúde. Seu interesse genuíno é o de dar voz à subjetividade do paciente, buscando, assim, enxergar o doente além da sua própria doença. 

O trabalho do psicólogo hospitalar não tem uma “meta ideal” a ser alcançada, visto que, seu papel é o de acionar um processo de elaboração simbólica frente ao adoecimento e hospitalização, acompanhando o indivíduo na travessia da experiência. Este acompanhamento se encerra quando há cessação da demanda.

O profissional está ali, junto ao sujeito acometido pelo adoecimento, para escutá-lo e apoiá-lo em:

  • suas angústias, fantasias e temores,
  • a relação que este dá ao seus sintomas
  • o significado que ele confere à sua experiência, entre outros aspectos que podem ser trazidos à tona durante este processo.

A atuação com a família pode possibilitar sua reorganização diante da vivência, ajudando, assim, o paciente. A equipe também pode se deparar com questões subjetivas em relação ao doente e sua doença, cabendo ao psicólogo acolhê-la e auxiliá-la no manejo com o paciente e família.

O psicólogo é aquele que está para favorecer a vivência do paciente, da família e da equipe junto ao adoecimento e hospitalização e facilitar a comunicação adequada e saudável entre estes atores.

 

O Setting Hospitalar 

Uma das principais críticas direcionadas a Psicologia Hospitalar refere-se a tentativa em alguns casos de reprodução do modelo clínico tradicional. No hospital, o psicólogo depara-se com peculiaridades que não existem no consultório particular, o setting é distinto, por vários fatores:

  • interrupções
  • locais inadequados
  • tempo curto
  • barulho
  • falta de privacidade
  • descrédito da equipe

Primeiramente, neste ambiente o profissional deve estar onde o paciente estiver, ir ao seu encontro e não ficar aguardando o paciente ir até ele. Os atendimentos então, ocorrem muitas vezes no meio da atividade hospitalar e o psicólogo precisa criar condições mínimas de privacidade e silêncio para preservação do sigilo e realização do seu trabalho. 

Ademais, no hospital este profissional assiste não somente o paciente, mas também sua família. Seu trabalho é realizado junto com uma equipe de profissionais e é focal, visto que possui uma delimitação de tempo, devido a curta permanência dos pacientes internados (é importante que cada atendimento tenha início, meio e fim).

 

MATÉRIAS RELACIONADAS

+ Psicologia Hospitalar: o guia definitivo!

+ Avaliação Psicológica: instrumentos





83 Publicações - 2 Seguidores

  • 83 Publicações