Logo Sanar

Carreiras

Avaliação Psicológica: instrumentos



A avaliação psicológica é um processo que permite a compreensão dos fenômenos psicológicos através de procedimentos diagnósticos e prognósticos. Também se define como um conjunto de práticas investigativas com finalidade de responder alguma questão-problema (Alchieri e Cruz, 2003). 

Este processo de investigação é o que fundamenta o trabalho do Psicólogo nas várias áreas de sua atuação (clínica, escolar, organizacional, jurídica) e tem como objeto o indivíduo, mas também um grupo, instituição ou comunidade (CFP, 2010).

Nesse processo, o profissional utiliza métodos e instrumentos a fim de realizar a coleta de dados, estudo e interpretação das informações obtidas. Além disso, busca compreender as relações entre os fenômenos psíquicos, o indivíduo e a sociedade (CPF, 2010). 

Os principais instrumentos de Avaliação Psicológica são: Entrevista Psicológica, Testes Psicológicas e Observação. Aqui, vamos focar nos dois primeiros, abordando definições e características!

Então, você vai poder conferir nesse artigo:

  1. Instrumentos de avaliação psicológica: entrevista psicológica
  2. Classificações de entrevista psicológica
  3. Instrumentos de avaliação psicológica: testes psicológicos
  4. Parâmetros para analisar qualidade dos testes psicológicos

 

Instrumentos de Avaliação Psicológica: entrevista psicológica

A entrevista busca fornecer ao avaliador, através de subsídios técnicos, informações acerca da conduta, comportamento, conceitos, valores e opiniões do entrevistado. Complementa os dados obtidos por outros instrumentos. 

Segundo Bleger (2011), a entrevista é uma relação estabelecida entre duas ou mais pessoas, na qual uma delas é o técnico e a outra a que necessita de intervenção técnica. É utilizada como meio de trabalho a fim de investigar comportamentos e perspectivas da pessoa. 

 

Classificações de entrevista psicológica

Quanto aos objetivos

  • Diagnóstica: Diagnóstico, prognóstico e indicações terapêuticas; 
  • Psicoterápica: Auxilia no processo psicoterápico
  • De encaminhamento: Recomenda o tratamento adequado; 
  • Seleção: Levantamento de informações sobre currículo de acordo com perfil do cargo; 
  • Desligamento: Trabalhar questões relacionadas à alta ou no caso da área organizacional, à saída do trabalhador da empresa; 
  • Pesquisa: Investiga temas de um estudo

Quanto à estrutura

  • Dirigida ou estruturada: Possui propósito fixado;  Ordem predeterminada das perguntas; Busca extrair o máximo de informações com o mínimo de perguntas; 
  • Semidirigida:  Entrevistado expõe a partir do tema que escolher e pode excluir o que desejar;  Há intervenções do entrevistador para apontar sobre questões relevantes (bloqueios, paralizações) ou buscar mais informações
  • Livre, não dirigida, ou não estruturada:  Liberdade do entrevistado para se expressar; Poucas perguntas ou intervenções do entrevistador; Busca visão geral do problema e identificação de aspectos da personalidade; Entrevistador formula perguntas durante entrevista; 

Quanto à sequência temporal

  • Entrevista inicial: Primeira entrevista de um processo psicodiagnóstico;  Paciente expõe sua queixa e o entrevistador obtém primeira impressão do entrevistado; É realizado contrato psicoterápico; Recomenda-se que seja semidirigida; 
  • Entrevistas sequenciais: Após entrevista inicial;  Busca apurar os dados coletados com mais detalhes sobre a história do entrevistado; 
  • Entrevista de devolutiva: Utilizada no término do psicodiagnóstico para comunicar resultados observados e indicações terapêuticas;

 

Instrumentos de Avaliação Psicológica: testes psicológicos

Definição: Medida objetiva e padronizada de uma amostra do comportamento do indivíduo.

Objetivo: Mensuração de diferenças entre indivíduos, ou o mesmo indivíduo em momentos diferentes. 

Características

  •  Material fidedigno; 
  • Permite reaplicação; 
  • Possibilita conclusões confiáveis em curto espaço de tempo; 

Aplicação dos testes

  • Deve ser realizada com clareza e objetividade, procurando transmitir tranquilidade ao examinando; 
  • Seguir orientações do manual, sem assumir postura rígida; 
  • Avaliar pessoa com deficiências considerando suas limitações. 

Importante: Para utilizar testes psicológicos é necessário ter diploma em Psicologia, inscrição no CRP e capacitação para aplicação; O uso de testes que não estão incluídos na relação de testes aprovados pelo CFP é falta ética do psicólogo. 

 

Parâmetros para analisar qualidade dos testes psicológicos

1. Validade: Verifica se teste mede o que pretende medir; 

2. Fidedignidade: Indica a confiabilidade e precisão do teste; 

3. Precisão: Considera resultados obtidos pelo mesmo indivíduo quando reaplicado o mesmo teste; 

4. Padronização: Uniformidade de procedimentos utilizados na aplicação; 

5. Normatização: Uniformidade na interpretação dos resultados a partir de parâmetros dos escores brutos;

 


Conheça nosso Manual de Avaliação Psicológica!


 

Referências

1. ALCHIERI, J.; CRUZ, R.M.  Avaliação psicológica: conceito, métodos e instrumentos. São Paulo: Casa do Psicólogo, (Coleção temas em avaliação psicológica) 2003. 127 p.

2. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Avaliação psicológica: Diretrizes na Regulamentação da profissão. Brasília: CFP, 2010.

3. CUNHA, J.A. Psicodiagnóstico – V. 5. Ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

4. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Cartilha sobre avaliação Psicológica, 2007.

5. OCAMPO, M.L.S. et al. O processo psicodiagnóstico e as técnicas projetivas. 11 Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

 

Cadastre-se para ter acesso personalizado ao conteúdo completo da Sanar.