Logo Sanar

Carreiras

Como ter sucesso na Harmonização Orofacial (HOF) utilizando as ferramentas ortomoleculares

 

2Roberto Mozart.jpg (63 KB)

Olá caro colega dentista. Nesse artigo eu irei te explicar como ter ainda mais sucesso nos seus procedimentos de harmonização orofacial, através das ferramentas da ortomolecular. A partir da leitura e da compreensão dos assuntos tratados aqui, sua visão sobre saúde integrativa em HOF, e principalmente sobre prática ortomolecular, nunca mais serão a mesma!

A prática ortomolecular já é um conceito bem sedimentado na área da nutrição e da medicina, porém até bem pouco tempo, pouquíssimo difundido na odontologia.

Entender e posteriormente dominar os conceitos aqui apresentados, será o grande diferencial para você que deseja estar atualizado, e dar um salto a frente no mercado da HOF, através da percepção e do cuidado do paciente como um ser único, indivisível, e da implementação em seus pacientes, de abordagens cujo conceito é o da beleza que vem de dentro para fora.

Nas próximas linhas, você vai descobrir o caminho para praticar a verdadeira odontologia ortomolecular na HOF, gerar resultados estéticos incríveis nos seus pacientes e se tornar uma autoridade quando o assunto é saúde e estética integrativa.

Mas antes de iniciarmos o assunto em si, é preciso que você entenda o que é a terapia ortomolecular, no que se baseia e como surgiu a odontologia ortomolecular. Para isso, vamos a um pouco de história...

A origem da terapia ortomolecular e da odontologia ortomolecular

A terapia ortomolecular teve início com a descoberta de compostos químicos que eram vitais na nutrição: as vitaminas. Esse conceito iniciou-se no inicio do século XX, tendo sido o termo ortomolecular criado pelo químico e ganhador do prêmio Nobel de química, Linus Pauling e citado oficialmente pelo próprio, pela primeira vez em 1968; em um artigo na revista Science.

O termo ortomolecular cujo prefixo vem do grego orto, que significa correto, significa “a medida certa de moléculas”.

Porém em 1939, antes de Pauling começar a desenvolver suas pesquisas sobre ortomolecular (o que aconteceu no ano de 1940) o CIRURGIÃO DENTISTA Weston A. Price publicou um livro chamado Nutrition and Physical Degeneration –
Nutrição e degeneração física – onde pode se observar perfeitamente a diferença entre um ser humano nutrido e um ser humano somente alimentado.

Dr. Price em sua obra vai muito além da odontologia restrita ao sistema estomatognático, quando desde a introdução de seu livro cita que “(...) sujeitos ao plano de modernização, os nativos deterioram em saúde e vêm a ser atingidos pelos
nossos tipos modernos de doenças degenerativas...”
Esta afirmação do autor nos da uma segura informação que ele se preocupava não só com a saúde bucal dos indivíduos, mas também com a saúde sistêmica.

Todavia, durante muito tempo esse conhecimento e essa abordagem sistêmica, ficaram um pouco esquecida pelos cirurgiões dentistas, os quais se limitavam apenas em olhar o sistema estomatognático do paciente. Contudo, essa abordagem vem sendo bastante explorada há muito tempo pela medicina e pelos nutricionistas, gerando resultados clínicos e estudos fantásticos.

Porém, atualmente, muitos dentistas já estão buscando conhecimentos interdisciplinares, visando alcançar melhores prognósticos nos tratamentos realizados em seus pacientes. Nesse sentido, as ferramentas de odonto ortomolecular são
imprescindíveis!

Agora você deve estar pensando: “ como as ferramentas ortomoleculares podem me ajudar a alcançar melhores resultados com meus pacientes de HOF?”

É exatamente isso que eu irei te revelar nas próximas linhas.

A ortomolecular se baseia no conceito de saúde de dentro para fora, onde o estado geral do paciente é equilibrado basicamente a partir (porém não exclusivamente) de nutrientes e do cuidado com o terreno biológico, permitindo um melhor prognóstico nos procedimentos de HOF.

Porém, para isso acontecer de forma correta, que te possibilite ter segurança e eficácia na prática da odonto ortomolecular na HOF, desfrutando de todos os benefícios dessa ferramenta, é preciso ir muito além do conhecimento raso de replicar fórmulas prontas!

A prática (correta e eficaz) da odonto ortomolecular de resultados satisfatórios, passa por diversos passos que não devem ser pulados ou ignorados; do mesmo modo que você já pratica com as outras áreas da odontologia.

A simples prescrição de fórmulas de nutracêuticos, por exemplo, sem a devida atenção a diversos fatores individuais do paciente, compara-se a instalação de um implante na primeira consulta, sem nenhum planejamento; não garantindo que irá lhe ajudar a obter melhores resultados nos procedimentos de HOF do seu paciente.

Por outro lado, quando você pratica a odonto ortomolecular levando em consideração todos os fatores que interferem nessa abordagem, os resultados serão extraordinários!

Por isso, eu separei três passos que você deve seguir, para obter resultados satisfatórios na sua abordagem ortomolecular em HOF. São eles:

Passo 1: anamnese clínica geral (odontológica e sistêmica)

Além da óbvia avaliação oral do paciente de HOF, é preciso avaliar a condição clínica do paciente. Afinal, nenhuma pessoa com a saúde comprometida tem uma aparência bonita.

O mesmo pode acontecer com um paciente desnutrido; ainda que esse paciente sofra do que chamamos de obesidade desnutricional. Ou seja, ele pode estar até acima do percentual de gordura ideal, porém estar desnutrido. Essa desnutrição então irá se traduzir em um aspecto facial negativo, cansado.

Por isso a importância de identificar, logo de início, alguma alteração clínica da qual o paciente possa ser portador.

Passo 2: Fazer anamnese alimentar e nutricional

Se você quiser praticar odonto ortomolecular de eficácia em HOF, antes de simplesmente sair prescrevendo nutracêuticos, você vai precisar identificar o tipo de alimentação do seu paciente. Não há como dissociar nutracêuticos da alimentação do seu paciente.

Conhecer a forma como o seu paciente se alimenta, ou seja, o padrão alimentar dele irá ajudar a nortear a sua conduta terapêutica ortomolecular, inclusive na prescrição de nutracêuticos.

Além disso, a alimentação do seu paciente altera todo resultado do tratamento que você irá realizar; seja para melhor ou para pior, dependendo do tipo de alimentação que ele pratique, caso você não intervenha com orientações ou o encaminhe para um nutricionista para prescrição alimentar específica.

Existem diversas formas de você fazer essa avaliação. Uma delas é utilizando o questionário de freqüência alimentar no seu paciente.

Passo 3: Avaliação do trato gastrointestinal

Suponhamos que você tenha um paciente com alteração no trato gastrointestinal; uma duodenite, por exemplo. Com certeza esse paciente terá alterações absortivas, sendo muito baixo, quase nulo, o impacto positivo que uma
prescrição de nutracêuticos (principalmente os absorvidos no duodeno, nesse caso) terá sobre esse paciente.

“Ah, Dr. Mozart! Quer dizer então que para eu praticar odonto ortomolecular, eu preciso entender também de fisiologia e fisiopatologia do trato gastrointestinal?”

A minha resposta a essa pergunta é: “somente se você quiser ter ainda mais sucesso e manter sua autoridade quando o assunto é HOF, utilizando para isso, o auxílio da abordagem ortomolecular”.

Caso contrário, caso você só queira somente prescrever os nutracêuticos e colocar nas redes sociais que pratica odontologia ortomolecular, não precisa conhecer fisiologia e patologia do trato gastrointestinal, nem tampouco fisiologia e patologias extra-orais.

Existem outros inúmeros fatores, como a influência do uso de medicamentos contínuos, por exemplo, que interferem na eficácia da abordagem ortomolecular para obtenção de melhores resultados em HOF. Todavia, esses assuntos serão abordados em uma próxima oportunidade.

Agora é com você! É preciso continuar a fundo, seus estudos sobre a odonto ortomolecular, até que você domine o tema, se sinta seguro para colocar em prática os conhecimentos aqui adquiridos e comece a colher os frutos (inclusive financeiros) desse conhecimento.

Caso você desejar obter maiores informações sobre esse tema, te convido a acessar o meu site www.drmozart.com.br lá você encontrará diversos textos sobre o tema.

Fique a vontade também para me seguir nas redes sociais, onde diariamente tem conteúdo novo sobre esse e outros temas de interesse na odontologia integrativa.

Facebook: Roberto Mozart

Instagram: dr_mozart_

Por hoje vou ficando por aqui. Sempre a sua disposição para trocarmos idéias sobre assuntos que elevem a odontologia ao nível que ela merece estar: no topo!

Grande abraço e até breve.

Referências:

REIS, Nelzir Trindade. Nutrição Clínica: Interações. Ed. Rubio, 2011

OLSZEWWER, Efrain. Clínica Ortomolecular. Ed. Rocca, 2000

CUPPARI, L. Nutrição Clínica no adulto. Ed.Manolle, 2002.

REIS, Nelzir Trindade. Nutrição Clínica: Sistema digestório. Ed. Rubio, 2003

REIS, Nelzir trindade. Bases para prescrição. Ed. Rubio 2015

Cadastre-se para ter acesso personalizado ao conteúdo completo da Sanar.