Todas as Áreas

Carreiras

Corri, perdi! Por quê?

Corri, perdi! Por quê?

Corri, perdi! Por quê_.jpg (60 KB)

Quer um exercício que movimenta todo o seu corpo?

A corrida é um esporte capaz de estimular você dos pés a cabeça. Não é à toa que corredores profissionais ou amadores necessitam, sempre, ter seus exames em dia além de acompanhamento médico e odontológico.

Odontológico?

Sim! Pode parecer estranho quando ouvimos isto pela primeira vez. Mas o acompanhamento odontológico, pode inclusive melhorar o rendimento dos atletas e seu condicionamento físico.

De forma geral, todas as pessoas devem ter um cuidado especial com a saúde bucal, mas os praticantes de atletismo precisam prestar ainda mais atenção nisso. Problemas bucais podem diminuir em até 21% o rendimento de um atleta seja ele profissional ou amador. Aqui vale ressaltar que tal porcentagem pode tirar o podium daquele que treina e se capacita dia após dia para conquistar tal mérito.

Uau! Você deve estar se perguntando: Mas quais os problemas bucais mais comuns nestes atletas, certo?

Então, vamos listar as três mais comuns?

A temida cárie também é uma vilã para os atletas. Para aqueles que fazem curta distancia com velocidade a respiração bucal, comum nesta modalidade, faz com que haja uma diminuição na salivação. A saliva lava os detritos e também neutraliza os ácidos dos alimentos e das bactérias, sem ela logo temos uma pré disposição a carie.

Já em atletas que percorrem longas distancias como os maratonistas e ultramaratonistas, o problema está na ingestão de géis, gomas e bebidas esportivas. Normalmente estes insumos são ricos em açúcar o que servira de alimento para a bactéria precursor da cárie.

No apertamento dentário os atletas forçam a arcada inferior contra a superior, devido ao esforço físico desempenhado na atividade física. Se o atleta possuir má posição dentária ou mandibular, temos os músculos fora de sua posição de equilíbrio, podendo gerar dores musculares e dentárias após o treino, assim como causar retrações gengivais em alguns dentes. Em casos onde o apertamento prejudica os elementos dentários, fraturando-os por exemplo, pode ser recomendado o uso de placa durante a atividade física.

Já as ausências dentárias podem interferir na mastigação por consequência na trituração dos alimentos e sua absorção. Para os atletas a disponibilidade de nutrientes para o organismo refletira não somente no seu desempenho, mas na capacidade de se manter ativo com qualidade físico emocional. Vamos exemplificar? No caso de uma deficiência de ferro o atleta pode apresentar cansaço em demasia e desmotivação o que pode diminuir seu condicionamento físico e por conseguinte queda no seu rendimento.

Conhecer seu paciente e a expectativa deste quanto ao esporte é de suma importância para definir a abordagem adotada para com o mesmo, isto sem considerar o dopping e sua confederação. Mas isto é assunto para o nosso próximo artigo. Aguarde!

Matérias Relacionadas:

Referências

Minetti AE, Capelli C, Zamparo P, Di Prampero PE, Saibene F. Effects of stride frequency on mechanical power and energy expenditure of walking. Med Sci Sports Exerc 1995;27:1194-212.

Varella D. Correr: o exercício, a cidade e o desafio da maratona. São Paulo: Companhia das Letras; 2015.

Dallari, M.M. Corrida de rua: um fenômeno sociocultural contemporâneo. São Paulo: USP,;1; 2009. 130p. Tese (Doutorado em educac¸ão) — Faculdade de educac¸ão, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2009.

Balbinotti MAA, et al. Perfis motivacionais de corredores de rua com diferentes tempos de prática. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis 2015;37:65—73.

Cadastre-se para ter acesso personalizado ao conteúdo completo da Sanar.
Cadastre-se para ter acesso personalizado ao conteúdo completo da Sanar.