Todas as Áreas

Carreiras

Entendendo o apoio matricial | Colunista

Entendendo o apoio matricial | Colunista

O que é?

Suporte especializado com objetivo de ampliar o campo de atuação e promover um cuidado colaborativo entre a equipe de referência da atenção primária (médico, enfermeiro, agente comunitário de saúde e técnico de enfermagem) e outros profissionais que não constituem a formação básica da equipe (psicólogo, psiquiatra, assistente social, ginecologista, nutricionista, fisioterapeuta…).

Para que serve?

Será a retaguarda especializada da assistência, ou seja, será um apoio para quando as demandas existentes extrapolarem os recursos de uma equipe de referência e precisar de um cuidado especializado para além dos que já são ofertados.

exemplo 1.png (12 KB)

Quando a equipe de referência irá solicitar?

  • Quando houver casos em que a equipe de referência sinta a necessidade de solicitar apoio para abordar e/ou conduzir (Esclarecer um diagnóstico específico ou construir um Projeto Terapêutico Singular);

  • Casos que necessitarem intervenções psicossociais específicas da atenção primária (Pacientes com transtorno mental grave e que necessitará ser encaminhado para um Centro de Atenção Psicossocial – CAPS).

Algumas Ferramentas de trabalho:

Genograma:

Instrumento que tem como objetivo esquematizar o contexto psicossocial do paciente, identificando seu histórico familiar, suas redes de apoio, os pontos de conflito e padrões trans geracionais em relação ao diagnóstico clínico apresentado.

geograma familiar.png (43 KB)

Como indicado na figura acima, no genograma irão constar as informações de cada membro da família, sua idade e ocupação. Assim como em uma árvore genealógica serão utilizados símbolos específicos para indicar o grau de parentesco, o gênero, casamentos, divórcios, morte, doença…

Ecomapa:

Instrumento utilizado para mapear as relações do indivíduo e os elementos da comunidade. Tem como objetivo identificar onde o indivíduo está incluído e como funciona a organização desse ambiente. É uma identificação dinâmica que visa destacar a presença ou ausência de recursos sociais, econômicos e culturais disponíveis.

ecomapa familiar.png (62 KB)

Como indicado na figura acima, no ecomapa será ilustrado a relação de cada membro da família com os elementos da comunidade. Sendo assim, através de símbolos serão indicados os pontos de conflitos e as redes de apoio que possam existir tanto em relação aos membros da comunidade, como também nos estabelecimentos disponíveis.

Projeto Terapêutico Singular (PTS):

Conjunto de propostas terapêuticas articuladas que podem ser desenvolvidas para um indivíduo e/ou um coletivo. Em geral, são direcionados para casos mais específicos e graves. É construído através de uma discussão de caso de uma equipe multiprofissional com saberes interprofissionais.

Etapas: 

– Definição de hipóteses diagnósticas;

– Definição de metas;

– Divisão de responsabilidades;

– Reavaliação.

Vale ressaltar que as ferramentas apresentadas aqui são apenas algumas dentre as várias possíveis dentro do Apoio Matricial. A condução do caso, a proposta de trabalho e as devidas ferramentas serão selecionadas caso a caso, em uma decisão conjunta entre equipe de referência, equipe de Apoio Matricial e indivíduo/família atendidos.

Matérias relacionadas:

post apoio atualização_1524x200_lp-atualização (1).jpg (122 KB)

Referências Bibliográficas

CHIAVERINI, D. H. et al. Guia prático de Matriciamento em saúde mental. Ministério da Saúde:  Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva, Brasília, 2011.

MUNIZ, J. R.; EISENSTEIN, E. Genograma:  informações sobre família na (in)formação médica. Rev. Bras. Educ. Med, Rio de Janeiro, v. 33, n. 1, p. 72-79, 2009. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022009000100010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em  20  Nov.  2020.  https://doi.org/10.1590/S0100-55022009000100010.

SILVA, L.; GALERA, S. A. F.; MORENO, V. Encontrando-se em casa: uma proposta de atendimento domiciliar para família de idosos dependentes. Acta Paul Enferm, São Paulo, v. 20, n. 4, p. 397 – 403, 2007. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002007000400002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em  20  Nov.  2020.  https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000400002.

Cadastre-se para ter acesso personalizado ao conteúdo completo da Sanar.
Cadastre-se para ter acesso personalizado ao conteúdo completo da Sanar.