Todas as Áreas

Carreiras

Como manter a assistência nutricional de pacientes com Covid-19

Como manter a assistência nutricional de pacientes com Covid-19

A Covid-19 é uma doença desafiadora em todos os aspectos, mas principalmente para os profissionais de saúde que estão na linha de frente. Doença de fácil contágio, as medidas de distanciamento recomendadas para evitar sua propagação passam a ser empecilhos no tratamento. É o caso relatado por nutricionistas que atendem pacientes Covid-19.

Recursos tecnológicos são a ferramenta-chave para a assistência nutricional de pacientes internados com coronavírus. A regulamentação da telemedicina e da telessaúde, bem como a autorização do Conselho Federal de Nutricionistas para assistência nutricional não-presencial facilitaram prestação do atendimento em meio à pandemia.

Mas as unidades de saúde podem adotar outras formas de atendimento. Acompanhe este artigo até o final para saber como manter a assistência nutricional de pacientes com Covid-19.

Esforço conjunto

O suporte nutricional é fundamental para a recuperação do paciente, principalmente aquele infectado pelo coronavírus. A Covid-19, em particular, restringe o acesso do profissional ao paciente devido às medidas de distanciamento recomendadas para evitar a propagação da doença. Sendo assim, o esforço de assistência precisa ser conjunto.

É o que relatam nutricionistas residentes da Universidade Federal de Sergipe em artigo publicado na revista Brazilian Journal of Development. No material elas relatam a experiência de promover assistência nutricional remotava a pacientes Covid-19. Em todas as alternativas adotadas, foi preciso colaboração de profissionais de outras áreas.

Uma das formas de atendimento foi plataforma eletrônica utilizada pela instituição hospitalar para inserir os prontuários eletrônicos dos pacientes internados na enfermaria e na unidade de terapia intensiva (UTI). Desse modo, as nutricionistas tinham acesso a dados essenciais para a realização da assistência nutricional, como exames bioquímicos, estabilidade hemodinâmica dos paciências e plano terapêutico.

Também foi realizado contato telefônico com a equipe de enfermagem da enfermaria e da UTI, para coletar dados referentes à tolerância ou aceitação dietética do paciente, preferências e aversões alimentares, bem como sintomas gastrointestinais. Em todos os casos, foi preciso suporte das demais áreas profissionais daquela rede de atendimento.

Dificuldades na assistência

O esforço conjunto é solução, mas também entrave. Isso porque os prontuários eletrônicos precisam ser atualizados quanto ao quadro clínico dos pacientes, para que as prescrições nutricionais possam ser feitas. Além disso, o contato com a equipe de enfermagem esbarra na sobrecarga desses profissionais, que podem não dar conta de responder a essas ligações em meio à luta contra o vírus.

As nutricionistas relataram também impossibilidade de realizar aferição das medidas antropométricas e exame físico, ambos usados como dados para definição de conduta e acompanhamento de evolução clínica dos pacientes. Em outros momentos da literatura também foi relatado que a falta de contato visual com os pacientes pode dificultar a avaliação do estado nutricional e entendimento das orientações repassadas pelo nutricionista ao paciente.


CONHEÇA AS PRINCIPAIS VARIANTES DO CORONAVÍRUS EM CIRCULAÇÃO


Neste artigo você conheceu alternativas para manter a assistência nutricional do paciente com Covid-19, em contexto de distanciamento social. Apesar das dificuldades que a nova realidade impõe, os esforços são eficientes para garantir esse tratamento, fundamental para fortalecer o sistema imunológico do paciente e evitar agravamentos ou novas infecções.

Compartilhe esse material com os colegas que precisam conhecer essas alternativas também!

Cadastre-se para ter acesso personalizado ao conteúdo completo da Sanar.
Cadastre-se para ter acesso personalizado ao conteúdo completo da Sanar.